fbpx

Por Everton Edvaldo

Leitura Bíblica: (Lucas 7.11-17)

Introdução:
 A morte nem sempre põe o ponto final na trajetória das pessoas. Principalmente, quando o dono da vida está presente. Um exemplo dessa verdade, aconteceu na vida da viúva de Naim. De um lado, estava ela,  acompanhando o corpo de seu filho. Do outro, estava Jesus, o dono da vida. Mal sabia ela, que contemplaria uma experiência tão gloriosa, isto é, ver seu filho, levantar dentre os mortos. Veremos com mais detalhes, como se desenrolaram esses fatos.

I- UM ENCONTRO ENTRE DUAS MULTIDÕES:

1. Podemos notar nos primeiros versículos dessa passagem, uma multidão alegre, que presenciava milagres e seguia a Jesus.

2. Por outro lado, uma outra multidão, acompanhava uma viúva juntamente com o cadáver do seu filho; essa multidão presenciava: tristeza, morte, pranto e perdição.

3. Cristo em sua onisciência, viu o desespero daquela viúva e tornou esse momento propício para um encontro entre duas multidões. Nesse dia, o Senhor manifestaria a sua glória.

II- A VIÚVA E SUA SITUAÇÃO:

1. A viúva (cujo nome nem é descrito por Lucas) saía da cidade para enterrar seu único filho. Essa mulher estava angustiada e triste, necessitada de um consolo. Seu marido não estava ali para ampará-la. Provavelmente, seu filho quando vivia, era quem substituía a presença do marido, ajudando-a nos trabalhos braçais e no seu sustento. Mas agora, se encontrava sem vida!

2. Já não bastava ser viúva, (que não era bem vista na sociedade daquela época.) sua vida foi marcada por percas. Essas percas, foram não só físicas como também emocionais e financeiras. Talvez chegou até a pensar: “Deus foi injusto comigo, tirou meu marido e agora meu filho.”

III- A ORDEM DE CRISTO:

1. Mas os nossos pensamentos nem sempre vão entender os propósitos celestiais, Cristo vendo a sua situação, comoveu-se dela e disse: “Não chores!” Isso foi uma ordem! Em outras palavras ele quis dizer: eu cheguei!

2. Logo depois, Jesus tocou o esquife, ele poderia ter tocado em qualquer outro objeto, o importante é enfatizar que onde ele toca, há milagres, restituição e vida! Guarde bem essa palavra.

3. De repente, aqueles condutores do morto, pararam, e ficaram estupefatos, pois ouviram uma voz que disse ao morto: levanta-te! Cristo não queria ver aquele jovem prostrado, caído e sem vida; ele o queria, vivo e forte. Aquele jovem reviveu e o milagre aconteceu.

IV- DEUS VISITA SEU POVO:

1. Jesus restituiu aquele filho à viúva. Agora, ela começa a chorar, não mais de tristeza, porém de alegria. O sorriso abre-se e ela vê seu filho em suas mãos.

2. Naquele dia, Deus visitou seu povo e deixou sinais de esperança e de sua presença. Toda a vizinhança da Judéia soube da notícia, por que ela percorreu aquele lugar inteiro.

Conclusão: 
Certamente, essa mensagem é tão atual, quanto foi naqueles dias. Muitas vezes, perdemos algo muito preciso em nossas vidas. Ficamos tristes, sem esperança, sem força. Parece até que a vida não fará mais sentido. Até que Cristo chega para superar as nossas expectativas. Ele continua surpreendendo os seus e visitando o seu povo. A presença de Jesus em nosso ser, deixa marcas com experiências, milagres e quebra de protocolos.

A morte já não tem poder algum sobre a igreja de Cristo. O que a morte separava, a vida reuniu. Sendo assim, A morte jamais poderá triunfar sobre a vida. Que o autor da vida, continue nos ajudando.