fbpx

Por Everton Edvaldo

“Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz.” (Isaías 9:6).

Há dois milênios, nasceu numa manjedoura aquele que foi prometido desde a queda do primeiro homem no Éden: Jesus, o Cristo. Considerado por muitos uma figura emblemática, Jesus entrou para a história como alguém que dividiu a própria história. O homem mais pintado de todos os séculos também é o mais odiado entre os homens.

Jesus, o homem que fazia das casas dos seus conhecidos o púlpito e nos campos livres e verdejantes das cidades, anunciava a mensagem do amor e da salvação. Ensinou a amar, amando. Era intrépido, não tinha medo de se posicionar e quando fazia isso deixava seus ouvintes surpreendidos.

Ele mudou as nossas vidas. Depois dele, o mundo nunca mais foi o mesmo. Veio como rei e durante toda sua vida não usou coroa alguma a não ser aquela que lhe colocaram na cabeça, cheia de espinhos.

Morreu mas ressuscitou e está vivo, à destra de Deus. Um amigo de todas as horas. Somente nele a nossa alma encontra repouso e alegria. Sua ternura nos contagia. É compreensivo, misericordioso e zeloso com os seus. Está voltando e irá dividir a história novamente.

Que nesta data possamos celebrar o Rei dos reis pela sua vinda, pois sem Jesus, não faz sentido comemorar o natal.

Deus abençoe a todos!